Tv Islamismo No Brasil NOVO















Estamos com 5Hs e 10 minutos de video na nossa tv, contanto toda a verdade....

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

A Guerra do Facebook contra a Liberdade de Expressão

  • O Facebook está agora removendo discursos que teoricamente qualquer um consideraria racista juntamente com discursos que somente alguém do Facebook acredita ser "racista".
  • A tenebrosa realidade de uma sociedade na qual a expressão da opinião da maioria é transformada em crime já foi vista por toda a Europa. Na semana passada mesmo, chegaram denúncias informando que cidadãos holandeses foram visitados pela polícia alertando quanto a publicação de posts de sentimentos contrários à imigração em massa nas redes sociais.
  • Em vez da violência, a palavra é uma das melhores maneiras das pessoas ventilarem seus sentimentos e frustrações. Retire o direito de se falar sobre as frustrações, o que sobra é apenas a violência.
  • A tampa da panela de pressão foi fechada no exato momento em que a chama foi aumentada. A verdadeira "iniciativa da coragem civil" seria explicar tanto para Merkel quanto para Zuckerberg que a política deles poderá ter apenas um resultado possível.
Semanas atrás o Facebook foi obrigado a voltar atrás ao ser flagrado permitindo publicações de posts anti-Israel, ao passo que censurava publicações equivalentes quando os posts eram anti-palestinos.
Um dos casos mais tenebrosos do ano passado mal foi noticiado. Em setembro a Chanceler Alemã Angela Merkel teve um encontro em Nova Iorque com o fundador do Facebook Mark Zuckerberg na Conferência de Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento. Ao sentarem-se à mesa o microfone da Chanceler Merkel, ainda ligado, registrou Merkel perguntando a Zuckerberg o que poderia ser feito para bloquear posts contrários à imigração que estavam sendo publicados no Facebook. Ela perguntou se isso era algo que a equipe dele estava providenciando e ele assegurou que era.
Naquela época, provavelmente o aspecto mais impressionante dessa conversa foi o fato da chanceler alemã, justamente no momento em que seu país estava passando por um dos acontecimentos mais marcantes da sua história pós-guerra, foi perder tempo se preocupando em como bloquear a desaprovação da sua política sendo ventilada nas redes sociais. Mas parece que a conversa rendeu frutos.
Na semana passada, o Facebook lançou o que ele chamou de "iniciativa da coragem civil online", cujo objetivo alegado era o de retirar o "discurso de incitamento ao ódio" do Facebook, especificamente retirar comentários que "promovam a xenofobia". O Facebook está trabalhando com uma unidade da editora Bertelsmann, que tem como objetivo identificar e apagar do site posts "racistas". O propósito do trabalho tem como foco principal os usuários do Facebook na Alemanha. Quando do lançamento da nova iniciativa, a responsável pela operação do setor do Facebook Sheryl Sandberg, explicou que "discurso de incitamento ao ódio não tem espaço em nossa sociedade, nem mesmo na Internet". Ela continuou assinalando que o "Facebook não é lugar para a disseminação de discurso de incitamento ao ódio ou estímulo à violência". É obvio que o Facebook pode fazer o que bem entender com o seu próprio Website. O que causa espécie é o que esta organização de iniciativas e pensamentos desordenados revela sobre o que está acontecendo na Europa.


O deslocamento em massa de milhões de pessoas da África, Oriente Médio e de mais além para a Europa, aconteceu em tempo recorde, se tornando um acontecimento importantíssimo de sua história. Conforme os episódios de Paris, Colônia e Suécia puderam comprovar, não são de maneira alguma eventos com conotações apenas e tão somente positivas que estão ocorrendo.
Além de estarem temerosos quanto às implicações em relação a segurança, a permissão da entrada de milhões de pessoas cujas identidades, crenças e intenções são desconhecidas e, devido ao tamanho do contingente, impossível de se conhecer, muitos europeus estão profundamente preocupados que esse fluxo seja um prenúncio de uma mudança irreversível no tecido de suas sociedades. Muitos europeus não querem fazer parte de um caldeirão de culturas do Oriente Médio e África, querem preservar alguma coisa de suas próprias identidades e tradições. Aparentemente não é apenas uma minoria que se sente incomodada com isso. Pesquisas após pesquisas mostram que uma maioria considerável do público, em cada um dos países europeus, é contrária a qualquer coisa parecida com o atual volume do fluxo de migrantes.
O sinistro em relação ao que o Facebook está fazendo é que agora está removendo discursos que teoricamente qualquer um consideraria racista juntamente com discursos que somente alguém do Facebook acredita ser "racista".
Acontece porém que, pasmem! Essa concepção de discurso "racista" parece abarcar qualquer crítica negativa em relação à catastrófica política de imigração atual da União Européia.
Ao decidir que os comentários "xenófobos" em reação à crise também são "racistas", o Facebook transformou o enfoque da maioria dos povos europeus (que, se faz necessário enfatizar, são contrários à política da Chanceler Merkel) em visões "racistas", classificando assim a maioria dos europeus de "racistas". É uma política que fará a sua parte em remeter a Europa para um futuro desastroso.
Porque, ainda que alguns discursos que o Facebook tanto teme sejam de alguma maneira "xenófobos", há questões profundas sobre a razão desse tipo de discurso ser banido. Em vez da violência, a palavra é uma das melhores maneiras das pessoas ventilarem seus sentimentos e frustrações. Retire o direito de se falar sobre as frustrações, o que sobra é apenas a violência. A República de Weimar, para citar apenas um exemplo, estava repleta de leis sobre discurso de incitamento ao ódio, que tinham como objetivo limitar o discurso que não agradava o estado. Essas leis não ajudaram absolutamente nada para impedir a ascensão do extremismo, elas só produziram mártires daqueles perseguidos por elas, além de persuadir um número ainda maior de pessoas que o momento de falar tinha acabado.
A tenebrosa realidade de uma sociedade na qual a expressão da opinião da maioria é transformada em crime já foi vista por toda a Europa. Na semana passada mesmo, denúncias vindas da Holanda, informavam que cidadãos holandeses foram visitados pela polícia e advertidos quanto a publicação de posts de sentimentos contrários à imigração em massa no Twitter e em outras redes sociais.
Nessa mistura explosiva, o Facebook, sabendo ou não, já fez a sua parte. A tampa da panela de pressão foi fechada no exato momento em que a chama foi aumentada. A verdadeira "iniciativa da coragem civil" seria explicar tanto para Merkel quanto para Zuckerberg que a política deles poderá ter apenas um resultado possível.
Douglas Murray, escritor, jornalista e comentarista britânico, sediado em Londres, Inglaterra.


fonte http://pt.gatestoneinstitute.org/7414/facebook-liberdade-expressao 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário